OITAVO DIA


Hoje, traze-Me as almas que se encontram na prisão do Purgatório e mergulha-as no abismo da Minha misericórdia. Que as torrentes do Meu Sangue refresquem o seu ardor. Todas estas almas são muito amadas por Mim. Elas pagam as dívidas à Minha justiça. Está em teu alcance trazer-lhes alívio. Tira do tesouro da Minha Igreja todas as indulgências e oferece-as por elas. Oh! se conhecesses o seu tormento, incessantemente oferecias por elas a esmola do espírito e pagarias as suas dívidas à Minha justiça.

Misericordios√≠ssimo Jesus, que dissestes que quereis miseric√≥rdia, eis que estou trazendo √† mans√£o do Vosso compassivo Cora√ß√£o as almas do Purgat√≥rio, almas que Vos s√£o muito queridas e que, no entanto, devem dar repara√ß√£o a Vossa justi√ßa. Que as torrentes de Sangue e √Āgua que brotaram do Vosso Cora√ß√£o apaguem as chamas do fogo do Purgat√≥rio, para que tamb√©m ali seja glorificado o poder da Vossa miseric√≥rdia.

Eterno Pai, olhai com misericórdia para as almas que sofrem no Purgatório e que estão encerradas no Coração compassivo de Jesus. Suplico-Vos que, pela dolorosa Paixão de Jesus, Vosso Filho, e por toda a amargura de que estava inundada a sua Alma Santíssima, mostreis Vossa misericórdia às almas que se encontram sob o olhar da Vossa justiça. Não olheis para elas de outra forma senão através das Chagas de Jesus, Vosso Filho muito amado, porque nós cremos que a Vossa bondade e misericórdia são incomensuráveis. Amém.